Amor Mundi, Políticas da Amizade e Cuidado: a Integralidade e a Polifonia do Cotidiano da Saúde

R$ 89.00

Organizadores: Roseni Pinheiro, Felipe Dutra Asensi, Fábio Hebert e Maria Elizabeth Barros de Barros

Categoria:

O tema “Amor mundi, políticas da amizade e cuidado: a integralidade e a polifonia do cotidiano da saúde” nasceu da “vontade”, que na perspectiva fenomenológica arendtiana significa a concreta fonte de atos e da ação política, aquilo que constitui o cerne da condição humana. É a vontade a maior expressão da evidente dependência recíproca entre o pensar e o agir. Por isso, a vontade não pode se descolar do pensamento, pois se refere ao substrato necessário à concretização de ações. Tais ações trazem a convocação permanente de nos tornarmos presentes nos espaços públicos, seja como autores, seja como agentes de direitos na saúde, na educação e na justiça. Considerando a existência legal e jurídica de um Estado de direito, conforme inscrito na Constituição de 1988, pareceu-nos evidente que tais relações e interações entre os sujeitos e sujeitas, em especial na saúde, forjam demandas e necessidades na busca por cuidado, e também por conhecimento e por igualdade. De outro lado, apoiando-se na máxima do pensamento arendtiano, “direito a ter direitos”, as questões relacionadas ao direito como exercício democrático têm-nos exigido, como pesquisadores, a inclusão de outros elementos existentes nos espaços públicos, tais como a arte, a cultura e as comunidades, remotas e tradicionais (indígenas, quilombolas, povos das florestas…). No Brasil, o SUS, desde sua criação em 1990 se configurou como espaço público, nos ensinando que a saúde, como efetivação do direito humano, se traduz, na prática, como direito não somente a “ter” acesso ao cuidado, mas o direito de “ser” na sua construção e concretização.

Peso 0.304 kg
Dimensões 15.5 × 1.1 × 23 cm

sobre

  • Quem somos

  • Conselho Editorial

  • Seja um autor

políticas

  • Privacidade

  • Compras, envios e devoluções

  • Contato

siga-nos